Home / Contos / Desejos de Colégio – Capítulo 7 – Ressaca

Desejos de Colégio – Capítulo 7 – Ressaca

Minha primeira vez com Matheus. O beijo com Rodrigo. Se não era pra ficar complicado eu não sabia mais o que esperar. Cheguei em casa e fiquei remoendo tudo que aconteceu naquela noite. Não sabia de onde surgiu esse interesse do Matheus, será que eu estava tão distraído com Rodrigo que não percebi? E o que Rodrigo queria ficando com aquela menina e depois vindo atrás de mim? Quando meus devaneios estava indo longe o meu celular apitou com duas mensagens.

A primeira dizia:

“Ei, ber, espero te ver amanhã. Beijo, Matheus”

E na segunda tinha o endereço dele e a hora que eu poderia ir. Realmente não sabia o que pensar. Foi inexplicável o quão bom foi o sexo com ele, mas a história ia mais fundo que isso. No início do ano eles ainda eram os 6 muchachos, e agora, nem metade do ano era ainda e eu já tinha ficado com um e transado com o outro. “Acho que é verdade aquilo que dizem de que em um grupo hetero sempre tem gays no meio” pensei para mim mesmo.

Tirei a gravata azul de Matheus, relembrando de cada pedacinho das horas atrás, enquanto tirava o resto da minha roupa. Deitei só de cueca e dormi um sono pesado.

Acordei as 10h da manhã com uma ressaca, primeira bebedeira, estava difícil de levantar. Lembrei do compromisso com Matheus e fui tomar um banho. Logo coloquei uma roupa, almocei e já eram 13h. Chamei um táxi e fui para o endereço que ele escreveu.

A CAVERNA DO BATMAN

Chegando no endereço dei de cara com um prédio bonito perto do centro. Não muito longe da minha casa, poderia ter caminhado. Apertei no apartamento indicado e logo ouvi a voz (um pouco rouca) de Matheus “Opa, quem?”, respondi que era eu e ele falou “Estou indo!”

A entrada do prédio era uma descida longa com alguns lances de escada, Matheus saiu do último bloco e veio meio correndo. O sol batia em seu cabelo, deixando-o mais loiro. Ele estava usando uma calça de moletom (aparentemente sem nada por baixo pelo volume) e chinelos de dedo apenas. Aquele corpo já despertou lembranças, memórias recentes da noite anterior. Meu cu já piscou.

-Ei, be, tudo bem? – disse ele corando um pouco

-Oi, tudo sim e voce? – respondi enquanto ele abria o portão

Nenhum de nós fez menção a noite anterior até chegarmos na entrada do apartamento. Quando estávamos na sala ele começou a explicar:

-Esse ap é da minha irmã, mas ela tá fazendo doutorado na espanha.. Daí como é comprado convenci minha mãe a me deixar morar aqui pelos próximos 4 anos. Mais privacidade, sabe? – disse ele dando um sorriso muito grande

-É muito bonito – respondi olhando em volta

-É sim, ela levou muita coisa, já decorei um pouco com a minha cara.

-Percebi, sr. Batman – brinquei apontando pro quadro enorme do símbolo do batman na parede

Ele riu, olhando pra baixo e deixando as covinhas na bochecha bem a mostra. Quase fui abraçá-lo, mas não sabia o que esperar. Até que ele disse:

-Vamos estudar? Eu já separei uma mesa pra gente com os livros e as paradas todas.

-Claro – respondi, meio pra baixo

Passamos as próximas duas horas estudando conteúdos de Física. As vezes a perna dele encostava na minha por baixo da perna, seus olhos ficavam me observando por mais tempo que o necessário e ele estava bem perto também. Estávamos terminando uma lista de exercícios quando eu perguntei:

-Você sabe fazer esses exercícios de Movimento Uniforme? Eu sempre me enrolo…

-Eu sei sim, sou meio perdido nas fórmulas só, mas depois que tenho elas eu consigo – ele respondeu

-Ah, então estamos com sorte. Decorei todas já!

-Somos uma boa dupla – ele falou, sorrindo

E foi colocando sua mão no meu braço, seguindo para o meu ombro e parando em meu rosto. “Ontem foi demais, né?” ele meio que perguntou, meio afirmou. Só consegui concordar com a cabeça pois quando ia falar ele me beijou. Não foi o beijo de ontem, nervoso e tímido. Foi um beijo de vontade, de excitado, de carinho. Matheus me beijou com vontade, passando suas mãos do meu rosto pelo meu corpo. Ele levantou e me deu a mão, me puxando para o quarto.

Entramos e ele fechou a janela e ligou um abajur que fez o sinal do Batman no teto. Escapou uma risada de mim e ele me olhou, tímido, perguntando:

-Muito infantil?

-Não, só querido. – respondi, puxando-o

Nos beijamos de novo, ele tirando minha camiseta aos poucos, aproveitando cada pedacinho do meu corpo com os dedos e depois com a boca. Ele beijava meu corpo enquanto eu arranhava suas costas de leve, o fazendo gemer baixinho.

-Ce sabe me deixar louco, garoto lindo.

Tirei sua calça deixando para fora seu pau duro como pedra. Ele realmente estava sem nada por baixo. Ele tirou minha bermuda e cueca, dando um tapa na minha bunda de leve. Pegou meu pau e começou a bater pra mim, falando “nossa, tu baba bastante hein? que gostoso”. Gemi enquanto ele me tocava e deitei na cama, ficando de frente. Ele logo se abaixou e começou a lamber meu corpo, começou pelos mamilos, descendo pra minha barriga, chupou meu pau com vontade me fazendo gemer muito e então chegou no meu cu, que já estava piscando por ele.

-Quer que eu te coma, hein gostoso? Pede então. – ele disse num tom autoritário

-Me come, safado, come bem gostoso – respondi, piscando mais

Então ele lubrificou meu cu, colocou uma camisinha no seu pau e começou a entrar em mim. A dor foi bem menor que no dia anterior, mas ainda estava ali. Ele começou lento para depois começar a acelerar. Meu pau estava todo babado de tesão olhando aquele homem me comendo.

Então ele me pegou no colo (pra minha surpresa) e me levou até a parede, me comendo com vontade em pé. Seu braço flexionado e o suor das suas costas onde eu as segurava estava me deixando com muito tesão. Seu pau entrando quase todo em mim, pulsando lá dentro, era uma delícia.

Agora que já estávamos mais soltos e íntimos as coisas só melhoraram. Matheus me dominou totalmente, me colocando de quatro na cama, batendo na minha bunda com força e enfiando o pau dele todinho me fazendo gemer. Parecia que ele tinha 8 mãos pois eu sentia ele em todo o meu corpo, me apertando e arranhando.

“Era hora de dominá-lo” pensei. Quando consegui escapar deitei ele na cama, com o pau pra cima. Fui até a sala o deixando com uma cara de confuso. Voltei com a gravata azul que tinha ficado em minha mochila. Amarrei em seus olhos enquanto ele falava “hmm, seu safado”.

Ele começou a ficar arrepiado enquanto eu mordia cada pedacinho de seu corpo. Quando mordiscava seu mamilo então, ele parecia ir para as nuvens. Subi nele, encaixando a cabecinha de seu pau no meu cu e tirando a venda dele. Ele me olhava com uma cara de tesão completa. Usei a gravata para amarrar suas mãos acima de sua cabeça, enquanto sentava nele com vontade. Ele gemia e me comia ao mesmo tempo que eu rebolava em seu pau e beijava seu corpo.

-Eu vou gozar, vou gozar, aahhhhhhhhh -ele gemeu, gozando dentro de mim – goza em mim, goza no meu corpo – ele disse, em meio a suspiros e gemidos

Peguei meu pau e comecei a bater, ainda rebolando nele. Logo gozei, gemendo alto e lambuzando seu corpo e até seu rosto. Um pedaço voou para perto da sua boca, que o fez lamber e me puxar para um beijo.

-Voce é muito bom. – ele disse

-Nós somos uma boa dupla – repeti o que ele havia falado antes, sorrindo

Tomamos um banho juntos e voltamos a estudar mais um pouco. A mãe dele ligou avisando de uma janta que ele não poderia faltar, então ele me devolveu a gravata vermelha e nos despedimos.

O clima foi muito bom com Matheus, mas eu não conseguia parar de me perguntar o que era tudo isso que a gente estava fazendo. Eu não sabia como seria segunda-feira na aula, não sabia como ele iria me tratar, não sabia o que a gente era. Não estava paranoico e nem queria um namorado, mas a gente não conversou sobre o que aconteceu ainda. Não sabia o que iria acontecer com Rodrigo, o que será que deu nele para me beijar nem se ele percebeu as gravatas trocadas.

SANTA MEIA NA PORTA

Fui pra casa pensando nisso, lembrando também que no dia seguinte teria Xadrez com Leandro e o professor Fábio. Convidei uma de minhas amigas para jantar, comemos e olhamos filme juntos. Ela foi para a casa do namorado e fiquei sozinho vendo seriados.

Logo que acordei fui para a casa de Leandro, que morava bem perto de Fábio, então poderíamos ir juntos. Fiquei feliz que poderia me distrair dos dramas de Rodrigo e Matheus, eu sabia que segunda seria complicado. Chegando na casa de Leandro, sua mãe abriu para mim, oferecendo mil e uma comidas. Recusei, educadamente, então ela me apontou onde ficava o quarto de Leandro.

Subi as escadas e segui as orientações de sua mãe. O quarto de Leandro era o mais longe da sala/cozinha da casa. Chegando perto do quarto ouvi uns barulhos estranhos. A porta estava meio aberta então espiei para dentro.

Lá estava ele, Leandro, deitado na cama com o pau duro e batendo uma punheta um pouco descoordenada. Ele estava pelado, passando uma das mãos por seu corpo, preenchido por pelos ruivos, seu pau era enorme e as bolas também. Ele fazia uma cara de prazer enquanto batia com os olhos bem fechados, gemendo baixinho. “Será que ele esqueceu de fechar a porta?” Então olhei para o chão, que tinha uma meia impedindo-a de fechar completamente.

Não sabia o que fazer, se voltava para baixo e fingia que não achei o quarto, mas isso poderia ocasionar a mãe dele achar ele batendo uma. Meu pau estava ficando duro de observar aquilo, o que parecia errado por sermos amigos, mas o que eu poderia fazer? Ele estava gostoso, o cabelo estava ótimo, a pele estava ótima, e eu sempre gostei muito de sardas.

Continuei olhando a cena deliciosa. Leandro passava a mão por seu corpo e apertava seu pau com a outra mão. Ele apertava seu mamilo e batia mais forte. Foi descendo com a mão até a barriga, até suas bolas e então parecia ter enfiado um dedo no cu. Eu não sabia se estava imaginando ou se era real, mas ele estava se comendo com os dedos. Ele gemeu um pouquinho mais alto e então gozou. Nessa hora voltei uns 5 passos, esperando meu pau baixar um pouco e fiz barulhos de passos.

-Léo? Onde é seu quarto? Sua mãe me deixou entrar.. -falei meio alto

-Bernardo? – ele disse assustado- Ah, perai, to me trocando! – disse meio alto demais, empurrando a porta novamente

Ela fechou por 2 segundos e então, por causa da meia, abriu de novo. Resolvi me aproveitar da situação, já que estava parado na frente dela e ela abriu, falei:

-Opa! Alguém estava brincando? -falei rindo

O ruivo dele saiu da cabeça e foi para a cara toda! Ficou todo vermelho e se desculpou, sem jeito. Disse que iria tomar um banho rápido e que já poderíamos ir para o Fábio. Ele passou por mim enrolado em uma toalha e sorriu, tímido. Logo ele voltou e conversamos normalmente.

MELHOR NO XADREZ

O domingo na casa do professor Fabio foi mais divertido que eu achei que seria. Eu estava ficando bom no Xadrez, ganhei de Leandro duas vezes e de Fábio quatro! A namorada dele, muito educada, fez panquecas de chocolate e ainda conversamos bastante sobre a viagem que ela faria para a Buenos Aires.

Não queria que o dia acabasse, pois logo seria segunda, logo teria que encarar Rodrigo. Logo teria que resolver as coisas com Matheus. Logo teria que voltar para a realidade das provas, aulas e trabalhos.

Quando o dia estava acabando, o professor Fabio nos levou pra casa de carro.

Eu sabia que amanhã seria complicado, estava com medo e apreensivo.

Mas alguma hora teria que ver no que tudo isso iria dar…

***

Gente, alguém tem curiosidade sobre o que se passa na cabeça do Rodrigo?

Para o próximo capítulo (apenas 1) estou pensando em voltar um pouco no tempo e dar pra vocês um pouco da perspectiva/visão do Rodrigo. Que acham? Querem? Se não.. continuo assim..

Seria legal pra entender o que se passa na cabeça do personagem, mas queria a opinião de vocês!

Comentem que daí eu penso sobre 🙂

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

14 comments

  1. QUERO SIM PELA VISÃO DE RODRIGO!

  2. Eu também quero saber oq se passsa com Rodrigo ?

  3. Eu estou amando, seria muito bom ter mas informações sobre ele… interessante

  4. Eu quero saber o que passa na cabeça de Rodrigo

  5. Necessito saber o que se passa na cabeça do Rodrigo ❤️

  6. Estou amando, escrita ótima e enredo perfeito, prendendo completamente a atençãodo leitor… Seria bem interessante um enfoque nos pensamentos do Rodrigo, entretanto, esse ambiente de mistério criado em cima do mesmo, dá um “tchan” no conto. Enfim, estou completamente e irremediavelmente apaixonado, continue escrevendo, não pare. Já possui um fã e seguidor fiel, que há de vir mais 100 capítulos no mínimo kakaka

  7. Sim meu Deus parabéns que ótimos contos comecei o primeiro é não consegui parar Rodrigo e exatamente o Crush meu do colégio q se faz de Hetero kkk

  8. Eu acho que se fizer um capítulo com a versão do rodrigo, vai tirar toda a graça dele ser um mistério ???

  9. Caralho, desculpe o palavrao, estou amando isso tudo, deveria fazer videos com esses textos, pois o que nos oferecem hoje é muito artificial, parabens a todos e sim volta um pouco e quero ver o que passa com o Rodrigo…

  10. Apesar de querer saber o que se passa na cabeça dele, acho melhor desenrolar aos poucos, o mistério é o que está nos prendendo a história. Continua assim, tá maravilhoso, nossa já quero todos os capítulos, sou ansioso, libera mais rápido. ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *