Home / Contos / Desejos de Colégio – Capítulo 27 – Berdrigo

Desejos de Colégio – Capítulo 27 – Berdrigo

Cheguei no apartamento de Matheus às 6h da manhã, a aula começaria só às 8:30 hoje então teríamos tempo de conversar. Apertei o interfone e ele perguntou quem era, respondi e ele apertou o botão.

Subi até o ap dele e entrei. Ele ainda estava com os curativos que Rodrigo fez ontem, olhei para ele, com carinho.

Bernardo: Vem, vamos trocar esses curativos, não podemos deixar infeccionar.

Fomos até o banheiro e tirei com cuidado o curativo de cima da sobrancelha dele. O corte ainda estava ali, ele me olhava nos olhos e desviava o olhar. Passei a mão em seu rosto.

Bernardo: Vai passar, quer me contar como foi ontem?

Matheus: Não tem muito o que dizer, só que está tudo acabado.

Bernardo: Ainda bem…

Limpei o corte e depois passei um remédio. Coloquei outro curativo e perguntei se estava se sentindo melhor. Ele sorriu em resposta. O interfone tocou e deveria ser Rodrigo, falei para ficar aqui e ir trocando o outro curativo que eu abriria pra ele.

Bernardo: Alô?

Rodrigo: Bernardo? Sou eu..

Bernardo: Me reconheceu rápido! Vou abrir! – e apertei o botão. Esperei ele subir e abri a porta.-

Rodrigo: Oi, tudo bem?

Bernardo: Está sim, estou trocando os curativos do Matheus…

Rodrigo: Ótimo.. sabe o porquê dele ter nos chamado aqui?

Bernardo: Ainda não, tem nem 5 minutos que cheguei.

Fomos até o banheiro e Matheus estava terminando de trocar o curativo do joelho.

Rodrigo: Como está Matheus?

Matheus: Bem melhor, o joelho tá quase passando… só a testa dói um pouco.

IRRITAÇÃO

Matheus disse para a gente sentar e pegou o controle da TV. Já olhei para Rodrigo que me olhou de volta com uma cara de quem sabia o que aconteceria. “Mais um?” perguntou ele. Matheus nos olhou com uma cara triste e clicou play.

Foi só aparecer Rodrigo e eu entrando na sala de monitoria que eu já sabia o que era. Olhei para Rodrigo e ele estava muito vermelho e com os punhos fechados. “Até onde vai isso?” ele perguntou entre dentes.

Matheus: até vocês saírem da sala.

Rodrigo: MAS QUE MERDA ISSO, EU ESTOU DE SACO CHEIO.

Matheus: Ontem depois que terminei com Nicolas eu saí do seu apartamento e esperei o táxi. Quando ele estava chegando passou alguém correndo muito rápido por mim, eu não consegui ver quem era. Mas deixou cair esse pen drive e essa etiqueta. Tirei o pen drive da TV e mostrei a etiqueta para os dois.

Bernardo: “Matheus você precisa ver isso”? Mas porque? Qual seria o objetivo dessa pessoa?

Rodrigo: Não sei, mas eu estou de saco cheio da nossa intimidade ter sido filmada.

Matheus: Eu fiquei pensando ontem, vocês perceberam que os três vídeos foram de vezes que aconteceram na escola? Não teve um vídeo que não fosse lá. Outra coisa, vocês já viram alguma câmera naquele colégio? Não tem, só as do estacionamento. Nosso colégio não possui câmeras. A pessoa que colocou isso fez por conta própria e são todas escondidas.

Bernardo: É verdade, eu não tinha parado para pensar nisso. Você falou que a pessoa passou correndo, era alta ou baixa?

Matheus: Eu não sei, eu estava tonto da luz do táxi e mais a batida na testa.. Não consegui prestar atenção, porque?

Rodrigo: Você está pensando em Guilherme?

Bernardo: Estou para ser bem sincero…

Rodrigo: Olha, eu sei de histórias de Guilherme por todas as redondezas do colégio. Ele pode muito bem ter instalado as câmeras, assim ele teria todos os vídeos dele e dos outros.

Matheus: Precisamos de alguém que consiga ver de onde veio esses vídeos, alguém conhece algum hacker?

Bernardo: Eu talvez saiba de alguém que conheça…

ÚLTIMAS SEMANAS DE AULA

Fomos para o colégio com aquele medo de que o vídeo tivesse vazado para mais alguém, mas aparentemente não, todo mundo estava normal. A manhã passou rápido e de tarde fomos para o meu apartamento. Ter Rodrigo e Matheus ali era bastante estranho, tentei focar na minha missão do que deixar sentimentos confusos voltarem a mente. Peguei o telefone e disquei o número que sabia praticamente de cabeça.

Leandro: Ei, Ber! Amigo, quanto tempo!

Bernardo: Oi Leandro! Verdade… escuta, dessa vez não estou ligando só por saudades suas… Preciso de ajuda.

Leandro: Pode falar, tô aqui pra ajudar no que puder.

Contei toda a história para Leandro. Ele sabia apenas do primeiro vídeo, agora contei de todos os 3 vídeos, contei dos pen drives, agora ele sabia de tudo.

Bernardo: O que eu queria saber é se você conseguiria rastrear alguma coisa desses pen drives, a gente cansou dessa história… Queremos por um fim nisso.

Leandro: Nossa, mal consigo imaginar o que estejam passando… Eu queria saber, mas meus conhecimentos em computador são limitados a jogos… Não sou tão expert quanto poderia…

Bernardo: Tudo bem, valeu a tentativa…

Leandro: Mas espera, talvez o João conheça alguém… Espera que eu já te ligo tá bom?

Falei para Matheus e Rodrigo o que ele falou e esperamos Leandro retornar. Ofereci comida para os dois que aceitaram. Almoçamos uma massa com queijo e fomos para a sala. Sentei no meio dos dois e comecei a me sentir no primeiro ano de novo. Quando minha mente começou a delirar o telefone tocou impedindo-a de ir muito longe.

Bernardo: Alô, Leandro?

Leandro: Oi, olha só, vou passar pro João, talvez a gente consiga ajudar.

João: Oi Ber, tudo bem?

Bernardo: Tudo sim! Quanto tempo..

João: Sim, precisamos ir visitar vocês mais vezes, a vida aí nunca parece chata…

Bernardo: hahaha sim, é verdade…

João: Olha, eu tenho um amigo daí que faz Engenharia da Computação e é formado em Sistemas de Informação. Eu sei que ele é a melhor chance de vocês conseguirem alguma coisa. Ele é gay, então vai ser mais fácil falar com ele sobre o assunto… Posso passar o telefone dele e vocês decidem o que fazer, o que acha?

Bernardo: Pode falar… depois a gente vê o que faz.

João falou o número do menino, Gabriel era seu nome. Mandei beijos para o Leandro e cobrei eles de visitarem mais. Desliguei e contei tudo para os dois no sofá.

Matheus: Será que podemos confiar nesse menino?

Rodrigo: Eu acho que é nossa única alternativa…

Bernardo: Também acho… Se ele é amigo de João eu não acho que faria mal tentar…

Matheus: Eu só tenho medo de piorar… Dele vazar isso.

Rodrigo: Não vejo porque ele fazer isso.

O HACKER

Liguei para Gabriel que nos passou direto um endereço e disse que João já tinha mandado uma mensagem para ele. Chegamos lá de tarde e contamos toda a história pra ele. Gabriel era muito gato, mesmo. Ele era malhado, cabelo loiro escuro longo preso em um coque e uma vibe nerd mas ao mesmo tempo muito hip. Ele escutou com muita paciência e quando terminamos ele pediu o pen drive.

Rodrigo: O que você vai fazer com ele?

Gabriel: Vou tentar rastrear de onde veio ou ver se acho alguma fonte de conexão com o computador onde foi conectado.

Bernardo: E o arquivo que tem nele?

Gabriel: Por mais que eu esteja curioso em ver você pelado não vai ser assim que eu vou conseguir, prometo.

Eu não sabia se ria ou se ficava vermelho. Rodrigo e Matheus olharam para ele com aparente irritação. Seria isso ciúme? Entreguei o pen drive e ele começou a abrir uma tela preta com muitos dígitos verdes. Demorou um pouco mas ele abriu uma pasta.

Gabriel: Eu não consegui encontrar onde está o computador agora, mas ele está usando um IP do exterior, pode ser falso ou a pessoa usou o computador lá. Mas eu consegui acessar mais 16 vídeos da pasta que estava esse aqui.

Bernardo: Podemos ver?

Gabriel: Claro, vem aqui do meu ladinho

Rodrigo se meteu na minha frente e sentou na a cadeira entre eu e Gabriel. Matheus levantou e foi logo depois dele arrastando duas cadeiras e sentou do outro lado. Eles estavam formando uma barreira contra o Gabriel? Era uma cena engraçada.

Sentei finalmente com os três para ver os vídeos. Tinham vários, mesmo. Muitos. Começamos a abrir os arquivos e todos eram no colégio. Tinha vídeo do Guilherme batendo punheta em diversos lugares, vídeos de Nicolas e Matheus numa sala aleatória, vídeos do professor Fábio com outros alunos, até vídeos de colegas héteros tinha ali. Todos pareciam vítimas do que estava acontecendo, até Guilherme. Nenhum deles parecia saber das câmeras instaladas.

Gabriel: Porra, acontece muita putaria nesse colégio!

A LIGAÇÃO

Gabriel me deu o pen drive com todos os vídeos que ele conseguiu coletar. Nada estava se encaixando para nós. Matheus e Rodrigo não falavam nada, pareciam brabos.

Gabriel: Querem tomar alguma coisa?

Matheu e Rodrigo: Não, obrigado

Bernardo: Uma água pode ser, se não for incômodo.

Gabriel: Claro que não, vem comigo..

Levantei e fui até a cozinha com Gabriel, Matheus e Rodrigo me olharam de um jeito estranho.

Gabriel: Os dois são seus ex? – ele perguntou quando chegamos na pia e ele serviu 2 copos e me dando 1.

Bernardo: Tão óbvio assim? – falei tomando um gole

Gabriel: Nenhum deles superou ainda…

Bernardo: É complicado…

Gabriel: Eu gosto de complicado. – ele disse isso pegando na minha mão.

Bernardo: Eu acho que vou ter que te decepcionar… Não estou procurando nada novo…

Gabriel: Claro, sem problemas, quer ouvir o que eles estão falando?

Bernardo: Como assim?

Gabriel: Eu pego interesse, mas se não rola eu desencano.. Claro que se quiser algo é só me ligar… mas você parece mais interessado no que tá rolando com esses dois ai… Deixa eu ajudar.

Enquanto ele falava ele pegou o celular e colocou um dos fones e deu outro pra mim. Logo que coloquei comecei a ouvir a voz de Rodrigo.

Rodrigo: …sei disso Matheus, mas eu não sei como..

Matheus: você é burro, deve tá perdendo ele prum hacker nesse momento.

Rodrigo: Ele não vai encostar no Bernardo, não se eu puder impedir… Ninguém vai… Pelo menos eu não queria… Mas se ele quiser outra pessoa.. não tenho o que fazer.

Matheus: Eu tenho que confessar que eu queria, eu queria ele.. mas, dá pra ver que ele gosta de ti, tá na cara. Não vou ficar no meio. E você deveria agir de uma….

Olhei para Gabriel e tirei o fone.

Bernardo: Você grampeou sua própria casa?

Gabriel: HAHAHAH é útil muitas vezes…

Bernardo: É, obrigado.. É complicado explicar pois eu me sinto no primeiro ano de novo tendo que escolher quando na verdade eu acho que queria ficar sozinho um pouco…

Gabriel: Entendo, mas olha, sem querer parecer chato… Você não precisa de ninguém, mas é sempre bom ter alguém.. sabe?

Bernardo: Eu sei, claro que sei.. Só me decepcionei com alguém que fiquei por muito tempo e tenho medo de investir em qualquer coisa agora.

Ouvimos passos e lá estava Rodrigo abrindo a porta da cozinha.

Rodrigo: Vamos?

Ele estava com uma cara séria. Fui até onde ele estava e falei “vamos”. Assim que voltamos para a sala meu celular começou a tocar.

Bernardo: Alô?

Guilherme: Vem pro colégio agora, traga Matheus e Rodrigo.

E desligou.

O COLÉGIO

Era de noite e então o colégio estaria trancado. Gabriel foi com a gente -para o desagrado de Matheus e Rodrigo- pois ele poderia ser muito útil. Nenhum de nós sabia o que Guilherme queria e onde ele esteve esse tempo todo, mas tentei ligar de volta e nada. Achamos melhor ir até lá.

Chegando lá foi fácil pular uma das cercas que davam para o ginásio, não era muito seguro ali pois o ginásio estava sempre trancado. Vimos luzes nele e então tentamos abrir a porta e ela estava destrancada.

Entramos e não havia sinal de ninguém ali. Fomos até os vestiários e muitas memórias começaram a voltar a mente…

Gabriel: Então esse é o vestiário da putaria…

Bernardo: Sem graça viu? HAHHAHA

Matheus: acho que deveríamos nos separar e procurar Guilherme por aí.

Rodrigo: Sim, é uma boa ideia.

Gabriel: Por mim tudo bem, só preciso de alguém que conheça ele…

Matheus: Eu vou contigo – ele disse piscando pro Rodrigo quando achou que ninguém estava vendo – vamos procurar ele pelos 2 andares de baixo

Bernardo: Ok, vamos olhar nas salas de aula e monitoria.

A BUSCA NOSTÁLGICA

Rodrigo e eu andamos por todo o colégio procurando por Guilherme mas nem sinal dele. Nenhuma luz estava ligada em lugar algum e estávamos só com a lanterna dos celulares ativadas. Eu estava ficando um pouco nervoso, não era fã do escuro.

Rodrigo: Então… hmm, parece que se deu bem com Gabriel…

Bernardo: Ele é legal

Rodrigo: Mais que eu? -ele perguntou colocando a luz em sua cara e fazendo caretas

Dei risada e o empurrei chamando de bobo.

Bernardo: acabei de conhecer ele, não tem comparação.

Rodrigo ficou vermelho e continuamos a procurar em silêncio.

Ouvimos um barulho vindo de longe e segurei em seu braço. “Acho que veio do corredor das salas de monitoria, vamos até lá?” ele perguntou. Só fim que sim com a cabeça e não soltei seu braço.

Rodrigo tirou as chaves do bolso e abriu a sala de monitoria a mesma que ele perdeu a virgindade do cu pra mim anos atrás.

Rodrigo: Era só o vento eu acho, deve ter batido uma porta.

Bernardo: Essa sala…

Rodrigo: É, essa sala é a sala que me pergunto o que teria acontecido se eu tivesse sido sincero contigo naquele dia.

Bernardo: Você pode ser sincero agora…

Ele foi chegando perto, deixou o celular na mesa e pegou minha mão, com o outro braço pegou na minha cintura e me puxou para perto deixando um mínimo espaço entre nossas bocas.

Rodrigo: Eu te amo, sempre te amei, acho que mesmo que você não queria uma parte de mim sempre vai continuar te amando e te querendo meu.

Ouvi essas palavras saírem da boca dele e olhei nos seus olhos. Eu via ali toda a segurança e conforto que eu sempre quis. Eu via ali o menino que eu sempre desejei e que os caminhos da vida nos deram obstáculos. Mas ele estava ali agora e cada segundo eu sentia que o queria também.

Bernardo: Eu também te amo, Rodrigo.

Ele me olhou, com espanto, mas com um sorriso no rosto. Tudo parecia estar no lugar e esquecemos toda a situação por alguns segundos até que:

Fábio: O que vocês fazem aqui? Venham comigo, se o Guilherme achar vocês primeiro vocês correm perigo. Ele estava me chantageando e eu fugi, mas quando vi que queria se vingar de vocês também tive que voltar.

“Professor Fábio!” falamos ao mesmo tempo.

*

Gente! Mais 3 capítulos e nossa história chega ao final! CAPÍTULO QUE VEM TODOS OS MOTIVOS, PORQUÊS, PROBLEMAS serão revelados. Será que alguém ficará em perigo? Que vingança será essa?

Logo tem mais e a trama amorosa continua também!

O Team Berdrigo deve estar bem feliz com esse final! Finalmente um “eu te amo” né?

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

6 comments

  1. Espero que a relaçao Berdrigo realmente continue, porque essa historia eh cheia de reviravolta hahahaha

  2. Ainda quero que os tres fiquem juntos…

  3. MEU DEUSSS! QUE VIRA AGORA TO MUITO NERVOSO !

  4. Ai se essa série acontece com a minha visa lkkkkk

  5. Não vendo a hora de ler os próximos capítulos. Meus parabéns, amei o enredo do conto. Sucessos

  6. meu o guilherme é o culpado e pronto já era.

    Sempre odiei esse mlk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *