Home / Contos / Desejos de Colégio – Capítulo 23 – Perspectiva do Bernardo

Desejos de Colégio – Capítulo 23 – Perspectiva do Bernardo

Esse capítulo (e o 24) vão girar em torno de 2 perspectivas. Do Bernardo e do Rodrigo, principalmente pra explicar o que os dois vão sentindo ao longo dos acontecimentos.

* PERSPECTIVA DO BERNARDO *

Henrique: Duas semanas já Bernardo, eu não aguento mais isso… É toda hora esse Rodrigo ligando, toda hora esse vídeo, faz duas semanas que a gente nem transa, você percebeu isso?

Bernardo: Você é muito insensível Henrique. Olha pelo que eu estou passando.. Vestibular no fim do ano, tenho que estudar pra conseguir passar, escolher o curso, toda essa função do ví…

Henrique: Nossa, não começa de novo. Se for pra começar vai pra sua casa. Eu não estou afim.

Bernardo: Eu vou então.

Peguei a mochila e joguei as coisas que consegui dentro dela e saí da casa de Henrique. Eu sabia que as coisas andavam mal entre nós mas achei que ele não iria ficar assim no primeiro problema que aparecesse. Durante todo esse tempo nunca brigamos e ele sempre foi muito compreensivo, agora no primeiro problema que aparece ele não sabe lidar e fica me culpando de tudo. Eu queria conversar com alguém, mas não sabia quem. Fui perceber que estava na frente da antiga casa de Leandro quando vi a grade que protegia o terreno.

Peguei o telefone e liguei pra ele. Conversamos durante duas horas, contei tudo que aconteceu e ele me deu muitas dicas. Perguntei como estava ele e João e quando iriam nos visitar. No fim da conversa ele falou:

Leandro: E o Rodrigo?

Bernardo: Eu te contei.. está meio mal também por causa do vídeo…

Leandro: Não Ber… e o Rodrigo no seu coração?

Enrolei na resposta falando que nada a ver e nos despedimos. Por que será a pergunta? O que eu tinha com Rodrigo acabou faz muito tempo. Levantei e continuei andando. Não queria ir para a minha casa. Meu celular começou a tocar e era Henrique. Não quis atender.

Continuei andando e fui parar na frente do prédio novo do Rodrigo. Antes que eu me desse conta estava apertando o interfone.

Rodrigo: Oi, quem é?

Bernardo: Sou eu… está ocupado?

Rodrigo: Não não, hmm, vou apertar pra você subir.

Subi as escadas já conhecidas pela terceira vez e Rodrigo estava de cabelo molhado, uma regata branca meio grudada no corpo e um calção. Devia ter saído do banho agorinha.

Bernardo: Estou atrapalhando?

Rodrigo: Claro que não, que que foi? Você estava chorando?

Bernardo: Eu só, sei lá, queria um tempo longe de tudo…

Rodrigo me olhou e eu logo entendi seu olhar. Falei que queria um tempo longe de tudo mas estava ali no apartamento dele. Eu estava namorando. Não estava fazendo nada de errado mas também não era certo estar ali.

Bernardo: Eu sei que o vídeo poderia ter sido pior e que já falamos muitas vezes sobre isso, mas…

Rodrigo: Podemos falar quantas vezes quiser. Se precisar de alguém pra conversar eu estou aqui. Mas Bernardo, olha pra frente… Tem sempre o amanhã pra pensar e o hoje pra viver. Vamos tentar deixar o ontem no passado. Ninguém mais está falando desse vídeo e se o propósito dele era nos machucar não adiantou. Ele só me ajudou a ser quem eu sou.. te falei isso já.

Não sei o que me deu mas larguei a mochila no chão e joguei meus braços em volta de sua nuca abraçando-o. Afundei meu rosto em seu peito e apertei ele contra mim. Não foi algo pensado, mas aconteceu. E eu me senti bem, me senti seguro. Mas acho que ele não se sentiu igual pois minutos depois me segurou pelos braços e me afastou gentilmente.

Rodrigo: Desculpa, eu..

Bernardo: Não, tudo bem, desculpa eu…

* PERSPECTIVA DO RODRIGO *

Quando ele me abraçou o mundo pareceu estar no lugar, quando ele me puxou para mais perto e afundou sua cabeça em mim pude sentir seu cheiro mais uma vez. O cheiro que sempre fez minha cabeça delirar. Só que ele estava perto demais, eu estava começando a ficar duro. Não podia deixar que ele percebesse por isso o soltei. Ele namora, não queria fazer nada que machucasse mais ainda ele. Um coração tão sensível. Só que agora ele parecia culpado.

Rodrigo: Não, não tem problema.. Quer conversar? Me dizer porque está aqui? Posso cozinhar alguma coisa…

Isso fez ele rir. Que risada mais gostosa. Ele ficou rindo uns bons minutos da imagem de “eu cozinhando”. Bobo, eu sabia cozinhar agora… algumas coisas. Peguei ele pelo braço e falei “mas agora eu vou te mostrar que sei cozinhar”.

A conversa rolava fácil com Bernardo. Engraçado que nesses últimos dois anos nos encontramos só 2 vezes fora da aula e agora ele está aqui e tudo parece estar igual.

* PERSPECTIVA DO BERNARDO *

Bernardo: hmnnnn, está super bom!

Rodrigo: viu? viu? viu? Não deveria ter dado tanta risada.

Comemos o macarrão carbonara que ele fez em silêncio. Acho que cada um estava viajando na sua mente. A minha pelo menos não estava focando mais tanto nos problemas. Até que meu celular começou a tocar, era Henrique.

Atendi pois tinha ignorado suas últimas 3 ligações.

Henrique: Finalmente. Onde você está? Vou te buscar.

Bernardo: Eu não quero te ver hoje Henrique.

Henrique: Eu quero conversar, vamos conversar pelo menos.. Eu te busco e a gente conversa… Só isso.

Bernardo: Tá mais calmo?

Henrique: Sim… onde você está?

Bernardo: Me encontra na rua Silva com a Duque.

Henrique: Ok, estou indo..

Desliguei o telefone. Rodrigo estava me olhando preocupado. “Está tudo bem… Se não for incomodo eu posso voltar pra cá depois? Não queria ir pra casa… ” falei pra ele que fez que sim com a cabeça.

Rodrigo: Quer que eu vá junto?

Bernardo: Não, não acho que vá ajudar em alguma coisa.

* PERSPECTIVA DO RODRIGO *

Então ele desceu. Olhei pela minha sacada Bernardo andar uma quadra e ficar ali esperando. Fiquei preocupado então sentei vigiando e esperando Henrique chegar. Logo ele estacionou o carro dele, reconheci pelos dias que ele levou Ber no colégio, e então saiu do carro com uma cara que parecia chateada.

Não conseguia ouvir o que estavam falando, mas cada palavra que Bernardo falava fazia Henrique ficar mais e mais irritado. Logo ele parou de falar e Henrique começou a falar e ficava vermelho falando, mas vermelho de raiva parecia. Comecei a ficar preocupado. Logo ele começou a gritar.

Henrique: EU NÃO SEI O QUE FAZER PRA TE FAZER FELIZ MAIS. PARECE QUE NÃO TE CONHEÇO…

Bernardo: ESSE É O PRIMEIRO PROBLEMA QUE ESTAMOS PASSANDO E VOCÊ RESOLVE ASSIM?

Henrique: O PROBLEMA É SEU E EU QUE TENHO QUE RESOLVER?

Bernardo continuou falando algo mas não estava mais gritando. Dava pra ver de longe que estava chorando. Henrique estava com uma cara de incrédulo e começou a fechar as mãos perto do corpo. Eu conhecia esse movimento. Eu já senti essa vontade muitas vezes mas não deixaria ele fazer nada.

Corri escada abaixo e abri a porta correndo, fui correndo até onde eles estavam para ver Henrique levantando o braço para dar um soco em Bernardo. Puxei Bernardo e fiz com que desviasse do punho de Henrique.

Rodrigo: Você não se atreva a fazer isso.

Henrique: AH! ENTÃO ESTÁ EXPLICADO. É POR ESSE MERDA QUE ESTÁ TERMINANDO COMIGO?

Bernardo parecia com medo de Henrique. Ele segurava minha mão apertando bem forte.

Rodrigo: Baixa seu tom de voz, ninguém aqui está gritando além de você. Nada aconteceu entre eu e o Bernardo, se ele quis terminar contigo é por ele e por você.

Henrique: Então porque VOCÊ está falando e não ELE?

Bernardo: Henrique, você bebeu… Vamos conversar amanhã… Você não está pensando direito, quase me bateu. Eu não me sinto seguro mais contigo…

A cara que Henrique fez foi de quem perdeu tudo que tinha de mais precioso na vida. E realmente, se Bernardo realmente não quiser mais ficar com ele.. Ele perdeu. Me ofereci para dirigir ele pra casa mas quando estava terminando de falar ele já entrou no carro e arrancou.

Bernardo estava tremendo e não soltava minha mão. Subimos pro meu apartamento e fiz um chá de camomila pra ele. Olhamos um filme bobo na Netflix e arrumei a cama para ele dormir.

Ele deitou e eu estava saindo do quarto quando ele me chamou…

Bernardo: Rodrigo… onde você vai?

Rodrigo: Vou dormir na sala…

Bernardo: Não sai daqui.

Lembrei da vez que ele se bateu no meu quarto e falou essas mesmas palavras, naquela vez eu tinha ficado com medo. Dessa vez eu fiquei confuso.

Deitei na cama com ele, meio longe, então ele chegou bem próximo, sentia sua respiração na minha orelha. Ele colocou a mão no meu peito, por dentro da camiseta, começando a passar ela pela minha barriga e descendo até chegar no meu umbigo. Eu já estava ficando arrepiado. Seu toque me lembrava muitos momentos. Sua mão chegou nos meus pelos e ela foi descendo, percorrendo cada fio praticamente, até chegar na minha calça…

*

E agora gente? rs

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

8 comments

  1. Continuo apoiando Henrique e bernado acho eles ums fofos quero ver eles juntos

  2. Por favor, que os dois fiquem juntos no final. Berdrigo forever <3

  3. Caramba 😮 tá muito intenso

  4. Rodrigo deve ficar com Ber

  5. Deveria ter rolado uma briga maior… Ele poderia ter salvado de um problema maior… berdrigo torço por eles

  6. O que pena q Hen perdeu a calma! Ñ quero que ele seja visto como um monstro para que Ber e Ro fiquem juntos acho injusto !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *