Home / Contos / Desejos de Colégio – Capítulo 16 – Férias do Bernardo

Desejos de Colégio – Capítulo 16 – Férias do Bernardo

Coloquei uma música triste enquanto entrava no avião para a praia. Decidi que não pensaria em nada que vivi nesse último semestre nenhum dia do mês inteiro. O que eu teria que resolver estaria ali ainda quando eu voltasse. Ontem foi ruim, chegar na escola, fazer a prova, tentar escapar de tudo e de todos. Não sou vítima, não estou me fazendo de vítima. Eu só tenho 15 anos, eu não sei de tudo ainda. Posso ter vivido mais experiências sexuais do que muita gente da minha idade, ou até de quem é mais velho que eu, mas eu não tinha maturidade o suficiente para saber quem ou o que eu queria ainda e isso deveria ser compreensível e não criticado severamente, nem eu estava me criticando. Então, por isso, resolvi me deixar viver esse mês diferente.

QUE VOO

O voo até Fernando de Noronha demoraria 6h e meia, apertei sem querer no aleatório do meu iPod e começou a tocar Paper Planes da M.I.A “que apropriado” logo pensei. Chega de música triste, era hora de curtir. Fui procurando meu lugar e logo passei por vários meninos lindos. Dois loiros ali, um ruivo e um cacheadinho aqui e tinha um com cabelo castanho claro muito gatinho. Fiquei torcendo pra sentar do lado dele, mas que nada, sentei duas fileiras para trás do lado de uma menininha pequena e a mãe dela.

Antes mesmo de eu sentar apareceu um moço perguntando se poderíamos trocar de lugar, pois quando ele comprou a passagem não tinham 3 lugares livres, ele até argumentou que estava mais pra frente e que seria bom para mim a troca mas eu já tinha aceitado. Eles agradeceram bem simpáticos. Acreditem ou não fui direto pro meio de dois meninos lindos. O ruivo e o cacheadinho. Ainda estava de olho no de cabelo castanho pois era o mais bonito (que estava mais na frente), mas já tinha melhorado a viagem em 100%.

Pedi licença e sentei bem aconchegado no meio deles. O ruivo parecia ser bem musculoso e a camiseta marcava seu peitoral definido, já o cacheadinho nem tanto, mas era uma fofura. Estava em êxtase ali no meio deles, os perfumes se misturando e eu teria 6 horas para ficar ali, já estava até esquecendo tudo que aconteceu em casa.

Uma hora de voo depois e ambos estavam dormindo, decidi fingir que estava também e deitei no ombro do cacheado. Nossa ele cheirava muito bem, meu pau já dava sinais de vida. Senti ele acordar logo e me cutucar.

-Você tá deitado em mim.. -disse ele, um pouco seco

-Nossa… desculpa -falei pausadamente fingindo dormir e sorri

-Sem problemas -ele disse, sorrindo

“Talvez ele não seja gay” pensei “nem todo mundo é né Bernardinho?” e dei risada pra mim. Tudo bem, ainda tinha o ruivo. Voltei a fingir que estava dormindo e no fim das contas peguei no sono mesmo. Acordei quando senti uma mão pegar a minha e abri um dos olhos só olhando para baixo. Era o ruivo segurando minha mão. Fui descendo com a cabeça e deitei em seu ombro, quando deitei abri de novo o olho e vi seu pau marcando a calça num volume bem grosso. Já fiquei excitado também.

Virei pro lado e vi que o menino cacheadinho estava dormindo, então coloquei minha mão no pau do ruivo, que logo colocou a dele no meu. Nos olhamos, com tesão nos olhos, já batendo por cima da calça. Ele veio mais perto e falou “não quer ir no banheiro?” Fiz que sim com a cabeça. Sorte nossa que o cacheadinho estava na janela, então seria mais rápido.

Ele foi e esperei alguns minutos, parecia tudo tranquilo e as aeromoças estavam até sentadas lá no fundo do avião. Fui em direção ao banheiro e entrei, ele estava com o pau muito duro já com o botão da calça aberto.

-Você é muito gostoso, menino.. que idade você tem?

-Você também é – respondi- tenho 18 -menti

-Então beleza, certeza que é 18? Nem barba tem…

-Ah, não cresceu ainda -e ri, já desabotoando minha calça

-Deixa eu chupar esse pau então, gostoso

E o ruivo, musculoso e gostoso, era passivo! Quais eram as chances? Eu estava rindo internamente. Ver aquele homem ajoelhado no chão chupando meu pau tava me dando muito tesão.

-Nossa, como tu baba, que gostoso!

Ele falava e continuava a me chupar. Logo começou a me chupar com mais força, bater pra mim e bater pra ele.

-Eu vou gozar logo -avisei gemendo

Ele continuou me chupando. “Que safado” pensava, fechando os olhos. Logo gozei muito na boca daquele ruivo gostoso, e ele gemeu gozando no chão.

-Muito gostoso seu pau -ele disse, depois de engolir todas as gotas de porra que gozei.

Foi bem inusitado, mas muito gostoso. Eu nunca importei tanto com o que ser, mas estava acostumado mais a ser passivo, mas era bem gostoso ser chupado assim e ainda por um macho daquele tamanho.

O resto do voo correu normalmente. Cheguei no aeroporto e peguei um táxi até onde meus pais estavam parando. Era um hotel enorme e lindo, praticamente um resort. Eu realmente estava precisando dessas férias.

SARAU

Três semanas se passaram e eu estava aproveitando bastante, mas não da maneira que pensam de mim, aproveitei para ler, estudar, tirar várias fotos na praia e postar no Facebook e fiz até algumas amizades. Faltava apenas uma semana para voltar a realidade e não tinha parado para pensar em Matheus ou em Rodrigo nesse tempo todo. Hoje tinha um convite para ir em um sarau na praia, parecia ser bem legal e bem longe do resort. Quando estava tomando banho e me arrumando para ir bateu aquela vontade de ficar em casa.

Pensei duas vezes antes de desistir e me olhei no espelho. Eu estava bonitinho.. Estava bronzeado da praia, com uma bermuda preta curta e uma camisa jeans de manga cavada e um all star branco. Decidi que deveria ir, curtir minhas férias.

Fui saindo do hotel e dei quando fui dar tchau pros meus pais tinha um bilhete “fomos pra uma festa, aqui um dinheiro pra se for sair ou pedir serviço de quarto” e uma nota de 100 do lado. Perfeito, eu estava sem dinheiro quase…

HENRIQUE

Chegando na festa encontrei alguns amigos, na rodinha tinham mais 5 pessoas que eu não conhecia. Nem reparei muito, estava meio sem pique pra festa mesmo. Dancei um pouco e falei que iria dar uma volta.

Fui quase até o mar e sentei em um banco de areia que tinha ali, mais alto. Estava curtindo a música que tocava longe e o barulho do mar. Fora o ventinho frio de todas as noites na praia o tempo estava ótimo.

-Um casaco pelos seus pensamentos? -disse uma voz atrás de mim

-Oi? -respondi olhando pra cima

Era um menino que estava na nossa rodinha, um que eu não conhecia, ele era muito lindinho. Tinha cabelos castanhos e um pouco encaracolados mas curto, media uns 1.80, tinha um corpo legal e estava de casaco e bermuda, seus olhos pareciam ter um brilho e me olhavam de cima, mas com uma carinha de querido.

-Você parece com frio e estava muito pensativo na rodinha, te dou meu casaco se me contar o que está pensando.. Na verdade te dou de qualquer maneira -disse ele tirando o casaco – mas sabe aquele ditado “uma moeda por seus pensamentos?” -ele riu – não sou muito engraçado

Dei risada, “que querido” pensei, mas já com medo de entrar em uma conversa sobre tudo que eu estava pensando. Peguei o casaco que ele tirou, estando só de regata branca e coloquei fazendo um sinal pra ele sentar do meu lado.

– Estou pensando em muita coisa, coisas que deixei para trás, pensando se deveria ter deixado como deixei. Pensando no que vai me esperar quando eu voltar… Não sei se você vai querer ouvir tudo isso…

– Sou um bom ouvinte, mas claro, se quiser falar… Meu nome é Henrique, muito prazer! -e ele estendeu a mão.

– Bernardo, muito prazer -falei sorrindo

Henrique: Você parece triste, na real, um sorriso bonito mas.. triste

Bernardo: Você é bem observador… só que, não sei se eu quero falar sobre..

Henrique: Tudo bem, posso ver o mar e as estrelas contigo?

Bernardo: Claro..

Ficamos ali mais uma meia hora em silêncio completo. Estava começando a ficar mais frio e comecei a tremer um pouco, Henrique passou o braço por mim, me abraçando. Deitei em seu ombro e comecei a chorar. Tudo que aconteceu no semestre todo veio à tona na minha cara. Toda a confusão com Rodrigo valeu a pena? Deveria ter tido minha primeira vez com Matheus? A noite que tive com Leandro e o professor Fábio teria sido um erro? Não sabia no que pensar só que os braços de Henrique estavam bastando naquele momento. Eu não sabia suas intenções comigo, mas me senti protegido desde o primeiro segundo que ele chegou, então depois de chorar fui deitando mais e mais nele e dormi.

O DIA DEPOIS

Acordei com cheiro de panquecas e um sol batendo no meu rosto. “Onde eu estava?” era só o que eu pensava. Eu estava vestindo minha roupa do sarau e tentando reconhecer o lugar. Era o hotel? Não, parecia mais um mini apartamento, mas tudo tinha uma logo que dizia “Ibis”. Era um apart-hotel no Ibis. Levantei e fui no banheiro. Achei uma pasta de dente e escovei os dentes com o dedo mesmo, “melhor que nada” e fui para o outro cômodo.

Era cozinha e sala juntos, um apartamento bem fofo.

Henrique: Olha quem acordou! Você tem um sono bem pesado, sabia?

Bernardo: Oi Henrique, o que aconteceu ontem?

Henrique: Bom, a gente pegou no sono na praia, acordei e eram 3h da manhã já! Ainda bem que o sarau foi naquela parte da praia privada e daí não teve problema. Tentei te acordar mas você parecia exausto… então te trouxe pro apart aqui que era só 1 quadra…

Bernardo: Você me carregou?

Henrique ficou vermelho nas bochechas e fez que sim. “Não consegui mesmo te acordar, fiz mal?” Ele parecia nervoso. Agora parei para observá-lo de novo. Era muita sorte, ter confiado em alguém de primeira e ser uma pessoa legal.

Bernardo: Não não, obrigado! Não sei como te agradecer.

FIM DAS FÉRIAS

Passei o resto da semana de férias quase toda com Henrique. Conversamos sobre tudo. Ele estava de férias do primeiro semestre da faculdade, mas me contou que não gostou do curso de Odontologia que entrou. Estava pensando em trocar, queria fazer Psicologia. Comentei que nem tinha começado a pensar ainda no que queria. Ele não parecia se importar com a diferença de idade que tínhamos, nem era tanta, ele completaria 18 no ano seguinte, entrou cedo na faculdade.

Contei pra ele sobre todos os meus dramas e ele contou os dele. Isso apagou um pouco aquela flama inicial de romance, mas só por algumas horas, depois de tudo dito decidimos deixar as questões reais para quando a semana acabasse. Ele sem saber o que fazer e eu sem saber o que decidir fomos explorar as belezas de Fernando de Noronha.

Fomos visitar vários lugares turísticos e Henrique era um ótimo fotógrafo. Além disso, não me deixava pagar nada, um perfeito cavalheiro. Andávamos pela cidade de mãos dadas, mas não tínhamos nos beijado. Faltando um dia para eu voltar pra minha cidade, Henrique disse que tinha uma surpresa.

O JANTAR

Estávamos indo pro restaurante que sempre jantamos e percebi que ele parecia mais escuro que o normal. “Será que está fechado?” perguntei pra ele. “Não não, confia em mim”. Então entramos. Estava tudo lindo! Com uma luz baixa, o restaurante estava vazio e só uma mesa arrumada. Ele tinha fechado o restaurante para nós.

Henrique era muito educado, ele puxava as cadeiras pra eu sentar, fazia tudo. Eu estava derretendo cada vez mais. Jantamos e conversamos bastante, o assunto sempre funcionava entre nós. Comemos a sobremesa e comecei a ficar um pouco triste por lembrar que amanhã de noite teria que voltar pra realidade e deixar tudo isso pra trás e nem nos beijamos ainda.

Henrique: Estou triste, por nossa semana estar quase acabando, foram 6 dias incríveis.. Estar de férias é tão bom… A sua companhia é tão boa..

Parecia que ele lia meus pensamentos. Eu sei lá, eu sabia que era rápido, mas eu queria mais.. Ele fazia tudo lá na minha cidade parecer tão longe. Talvez pois eu estava longe mesmo. Mas eu tinha certeza de uma coisa, talvez uma das primeiras certezas que eu tive na vida amorosa, mas eu queria descobrir mais.

Bernardo: Eu sei, eu queria tanto mais tempo.. Tanto que não fizemos ainda..

Henrique: Eu também quero mais tempo. – Disse ele, pegando na minha mão e levantando. – Mas se tem uma coisa que eu me recuso é te deixar sair da minha vida.

Levantei com ele e saímos do restaurante. Andamos até a praia e chegamos no lugar da festa. Andamos em silêncio até o lugar que nos conhecemos e ele pegou minhas duas mãos me olhando nos olhos e ficando bem vermelho.

Henrique: Tem uma coisa que eu deveria ter feito faz tempo já, mas eu não consegui…

Fiquei olhando pra ele, que começou a se aproximar e então seus lábios tocaram os meus. Ele tinha um sabor indescritível. Suas mãos seguravam minha cintura e meus braços foram até sua nuca. O corpo dele tocava completamente o meu e eu sentia seu calor em mim.

Logo ele me pegou no colo e correu pro apart hotel, subimos o elevador nos beijando e chegamos no apartamento ainda grudados.

A PRIMEIRA VEZ

Entramos no apartamento e nos deitamos na cama (cama que dormimos juntos muitos outros dias, mas nada além de uma conchinha aqui e um carinho inocente ali), dessa vez nos beijávamos com todo o sentimento guardado da semana. Henrique desabotoava sua camisa enquanto eu tirava a minha, seu corpo era lindo e pouco definido. Ele estava com as bochechas muito vermelhas enquanto tirava sua bermuda, tirei a minha bermuda e ficamos só de cueca, ajoelhados na cama.

Nos beijamos novamente e nossos volumes se encostaram, fazendo o mundo inteiro girar na minha mente. Eu nunca me senti tão no lugar certo quanto aquele momento.

Ele deitou e eu subi nele, beijando seu pescoço, seu peito, sua barriga… Fui descendo e tirando sua cueca. Um pau grosso e com a cabeça rosinha saiu da cueca, tinha uns 18cm e estava muito babado já. Comecei a chupar e Henrique gemeu alto, colocando a mão levemente na minha cabeça.

– Nossa, você é tão bom -ele falava entre gemidos

Tirei a minha cueca e me deitei ao contrário e voltei a chupar seu pau. Ele pegou o meu pau e puxou por baixo das minhas pernas, me chupando e me fazendo gemer enquanto enfiava todo o dele na boca. Logo ele começou a chupar e lamber minhas bolas e foi subindo na minha bunda apertando com as duas mãos e falando “caralho, que bunda” enquanto batia nela.

Ele começou a sair de baixo de mim e me pegou de costas, me deixando de quatro ainda. Colocou uma camisinha e começou a enfiar no meu cu enquanto batia pra mim. Seu pau entrou aos poucos, doendo mas me fazendo gemer de prazer também. Ele batia pra mim e lambia minha nuca enquanto entrava cada vez mais fundo.

-Você não sabe o quanto eu queria fazer isso -ele disse, enfiando mais fundo

-Eu sei, pois é o tanto quanto eu queria -falei no meio de gemidos

Ele conseguiu colocar todo o pau dentro de mim e começou a puxar minha bunda pra ele, fazendo um barulho gostoso quando suas bolas batiam em mim. Eu estava delirando quando ele me puxou e ficamos de joelho. Então ele sentou, comigo dentro dele, e me segurou com os braços me fudendo de um jeito que eu nem sabia se possível.

Ele gemia e falava “seu cuzinho é muito delicioso, garoto” enquanto me comia com muita vontade. Sai de cima dele e me virei, sentando de volta de uma vez só fazendo a gente gemer juntos e comecei a beijar ele na boca.

Continuei a cavalgar nele e rebolar enquanto ele batia na minha bunda e me chamava de gostoso. Ele ainda batia pra mim e falava “goza na minha boca, mira nela, quero te provar de todos os jeitos hoje” e isso me deixava muito excitado.

Continuei fudendo o pau dele até que ele começou a gemer muito e avisou que iria gozar, aumentei o ritmo e falei “goza dentro de mim, goza” e ele revirou os olhos e gemeu de prazer, gozando a porra guardada de uma semana toda dentro do meu cu.

Quando ouvi ele gemer daquele jeito e abrir a boca gemendo, gozei mirando nela e acertei boa parte da minha porra, fazendo-o gemer mais ainda de tesão. Levantei do pau dele e deitei ao seu lado, olhando pra ele. Nos beijamos e ele começou a fazer carinho por todo meu corpo nu.

Henrique: não vou conseguir te deixar, Bernardo

Bernardo: eu também não quero, quero ver no que isso pode dar…

Henrique: se você quiser, eu.. – e então ele pausou

Bernardo: você…?

Henrique: eu tenho mais duas semanas de férias da faculdade, não sei ainda o que fazer depois dessas duas semanas, mas eu gostaria de passar elas contigo.

Bernardo: Você voltaria comigo pra minha cidade?

Henrique: Se você me quiser… Com todo o drama lá, eu vou entender se não quiser.

Bernardo: Eu quero, não sei o que fazer sobre quase nada, sou péssimo em decidir, sou péssimo em muita coisa, ainda mais em ter certeza de algo. Mas tenho certeza que quero mais de você na minha vida.

Henrique: Então eu vou

E nos beijamos mais.

DE VOLTA PRA CASA

Dei tchau pros meus pais e eles agradeceram eu ter vindo, desejaram um ótimo final de ano e falaram que vão visitar meus tios no exterior. Agradeci as passagens e falei que tudo bem, que já sabia me virar.

Henrique estava me esperando com táxi lá na frente e fomos pro aeroporto. Lá, ele tirou uma foto minha no painel de escalas, poucos minutos antes de pegarmos o voo, postei com a legenda “mais 6h de viagem, mas pelo menos feliz” no Facebook.

Passamos a viagem toda conversando, assunto nunca faltava. Nos beijamos bastante também quando ficou mais escuro. Tivemos sorte e pegamos um lugar com um cara mais velho que dormiu a viagem inteira. Eu estava feliz por Henrique estar voltando comigo, mas isso complicava um pouquinho as coisas. Ou será que facilitava? Seriam essas duas semanas o suficiente?

Eu tentava não me preocupar com tudo e deixar o meu velho eu lá em Fernando de Noronha quando a aeromoça acordou todos avisando que iríamos pousar. Acordei Henrique com beijinhos e falei que estávamos chegando.

Descemos do avião e pegamos as malas da esteira. Seguimos pra fora da sala de desembarque e Henrique me dava beijinhos discretos na bochecha quando achava que ninguém estava olhando. Eu dava risada e carregava aquela mala gigante com muitas roupas que comprei. Quando estava rindo e puxando o cabelo de Henrique de brincadeira olhei pro lado e vi um rosto conhecido. Ele segurava uma rosa vermelha, mas largou-a no momento que nos viu. Eu fiquei em choque, parei e Henrique parou me olhando, perguntando o que aconteceu.

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

7 comments

  1. Adorei que o Bernardo tenha conhecido uma pessoa nova e mais madura, aparentemente. Espero que de certo o romance dele com Henrique.

  2. BERNADO DEU O NOME! JA TA SENDO FELIZ COM OUTRO AMO!

  3. Quem sera? Vacilo saiu pra ficar tranquilo e no final acabo ficando com outro ? mas ainda estou torcendo para o Rodrigo.. Mas sei la.. Do jeito que esta indo vou ter que apostar em outro..

  4. Eu queria que Bernardo ficasse com o Rodrigo, ele sempre foi apaixonado por ele. Mas ficou confuso em relação a tudo isso por sua relação atrativa com Matheus. Apesar do Henrique ser muito romântico e encantador.

  5. Estou amando esta série. Vamos ver o que vai acontecer daqui pra frente eu queria que o ” Ber ” ficasse com o henrique

  6. eu quero que o Ber fique com o Matheus…. Mas e agora? quem será que estava com a rosa na mão???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *