Home / Contos / Desejos de Colégio – Capítulo 11 – Um mês depois

Desejos de Colégio – Capítulo 11 – Um mês depois

“Eu transei com Matheus” ficou ecoando na minha mente pelo próximo mês inteiro. Já era época de provas de novo. Fazia um mês que tive minha primeira e última vez com Rodrigo. Um mês desde que saí para dar uma volta com Matheus. Um mês que consegui ter alguma vontade de me envolver amorosamente/fisicamente com alguém.

Tudo desandou desde aquele dia. Ignorei Matheus, ele tentou… mas logo desistiu. Tentei me desculpar com Rodrigo, mas ele não quis saber, estava muito magoado. Nem minha amizade com Leandro continuava a mesma, nem minhas amigas eu conseguia ser um bom amigo.

O mês inteiro aquela frase me assombrou. A única parte que não afetou foi no meu rendimento acadêmico. Decidi dar total foco para as notas. Estava indo muito bem, tanto nelas quanto no Xadrez. Estava ganhando várias partidas de Leandro e os treinos aos domingos com o professor Fábio estavam garantindo um bom desempenho para o campeonato que seria semanas depois.

EDUCAÇÃO FÍSICA

Era quarta-feira, 7h da manhã, quando o despertador tocou bem alto. Normalmente eu acordava e pensava no “Eu transei com Matheus” com arrependimento. Mas dessa vez não. Eu estava cansado de viver assim, cansado de me culpar. Tentei me desculpar e então, decidi seguir minha vida. Se eu poderia ter tido um grande amor com Rodrigo? Talvez. Se eu poderia ter curtido muito a vida com Matheus? Talvez. Mas estava cansado disso tudo.

Na aula de manhã já mudei meu jeito de encarar as coisas. Dei mais atenção para minhas amigas, interagi mais durante o intervalo. Fui pra casa mais animado. Tinha muita coisa pela frente ainda, não poderia só pensar no lado ruim.

De tarde tinha educação física, no caso Xadrez pra mim e Leandro e Futebol para o resto dos primeiros anos, decidi ir com um humor diferente pra essa aula do que no último mês.

Cheguei no colégio e dei de cara com Rodrigo, que logo virou a cara, geralmente ficaria triste.. Dessa vez resolvi deixar pra lá. Não que eu não sentisse mais nada por ele, mas eu precisava seguir em frente. Quando vi Matheus chegando abanei pra ele, sorrindo. Ele logo sorriu e veio me dar um abraço.

-Oi Ber, saudade desse sorriso -ele disse, me olhando feliz

-Acredito que temos que conversar… preciso explicar algumas coisas… pode ser agora? -perguntei

E então conversamos. Contei sobre tudo. Sobre Rodrigo (pedindo sigilo, é claro), sobre o que aconteceu com a gente, desabafei tudo que precisava. Matheus foi muito compreensivo. Ele disse que não tinha entendido o que eu estava sentindo, achou que tinha sido culpa dele minha mudança de humor. Apesar de ser super discreto quanto a sua sexualidade entre os 6 muchachos, Matheus nunca escondeu nada deles (apenas nunca revelou ser gay) e nunca foi preconceituoso que nem o resto. Ele achava que, quando fosse a hora, Rodrigo ia contar pra ele tudo.

Ele jurou não falar nada e eu sentia que poderia confiar nele. Então voltamos para o ginásio e encontramos Rodrigo nos encarando do meio da quadra. Não sei se ele parecia magoado ou brabo, mas decidi mais uma vez deixar isso pra lá.

Tudo transcorreu mais normal possível, Leandro também notou minha mudança de atitude, desabafando algumas mudanças em sua vida. Passei um mês ignorando tudo a minha volta que até a transformação de Leandro eu perdi. Ele estava lindo, sem uma espinha ou marca delas, seu tratamento com roacutan estava quase terminando e ele tinha começado academia meses atrás. Os resultados estavam aparentes. Parabenizei-o, fazendo surgir um sorrisão nele.

CHUVEIROS

No final da Educação Física Leandro me deu tchau e me abraçou, feliz em me ter de volta. O professor Fábio pediu para falar comigo, então segui ele para o seu escritório no ginásio enquanto os meninos iam tomar banho. Rodrigo me encarava, de um jeito estranho.

-Bernardo, queria saber se tá tudo bem contigo… Você parece meio chateado nessas últimas semanas… -falou Fábio, preocupado – no domingo você parecia no mundo da lua

-Eu estava meio mal, professor, mas já está passando… coisas pessoais -respondo

-Saiba que pode me ver como um amigo, ok? -ele respondeu

-Claro, obrigado

Então o celular dele tocou. Pelo que entendi da ligação sua namorada precisava de ajuda urgente, algo com o caminhão da mudança para o exterior dela, já que faria algo acadêmico fora do país.

-Se quiser que eu feche o ginásio, posso ficar mais um pouco professor -falei, tentando ser prestativo

-Jura? Seria uma ajuda ótima, acho que o pessoal já está saindo, se alguém precisar pegar alguma coisa nos cofres também as chaves estão aí… – Ele respondeu já me dando as chaves do ginásio e pegando as do carro. Me agradeceu e correu pro estacionamento.

Peguei a sacola de bolas de futebol da quadra e levei para o vestiário, onde a maioria dos meninos terminavam de se secar e alguns entravam no banho.

-Pessoal, o professor Fábio teve que sair por uma emergência então vou fechar o ginásio, se precisarem de alguma coisa ou abrir algum dos cofres eu tenho as chaves.

-Beleza

-Valeu

-Aham

Responderam a maioria dos meninos. Não encontrei Rodrigo nem Matheus no vestiário, mas ignorei, já que não tinha muito o que fazer. Não forçaria um contato com nenhum deles. Só estava em dúvida de como seria minha relacão com Matheus agora que voltamos a nos falar. Sabia que ele não queria nada sério, só não sabia se eu queria só sexo. Mas estava sentindo falta já.

ÁGUA QUENTE

-Bernardo! Precisamos abrir o armário aqui! -gritaram Douglas e Gabriel lá de dentro

Voltei pro vestiário e abri o compartimento deles, que pegaram as chuteiras e mal agradeceram já saindo do vestiário. Estava um silencio naquele lugar, o resto dos meninos já tinha saído. Só escutava um dos chuveiros ligados. Logo pensei que alguém deixou ligado. Fui desligar e encontrei Matheus ainda tomando banho, de cueca preta. A água quente batia em seu corpo soltando vapor e deixando ele mais bonito que já era. Ele me olhou com uma cara de safado, me chamando pro chuveiro.

Deixei as chaves no chão do vestiário e comecei a tirar minha roupa. Fiquei só de cueca, que era branca, entrando no chuveiro com ele. Suas mãos tocavam meu corpo em todos os lugares, eu gemia de saudades e tesão a cada lugar que ele tocava. Seu pau duro encaixava direitinho no meio das minhas nádegas, estava piscando o cu só de sentir seu pau pelas cuecas.

Então tiramos as cuecas e me ajoelhei para chupa-lo, meu pau já todo babado e duro. Ele fechou os olhos e começou a gemer mais alto, enquanto eu chupava mais fundo seu pau. Comecei a colocar um dedo no cuzinho dele, com vontade de comer aquela bunda gostosa, fazendo ele se contorcer todo. Logo subi, com o gosto do pau dele, e beijei ele na boca.

Nos tocávamos como se tivéssemos 6 mãos, eu sentia seu corpo na frente e atrás de mim, só que isso não era possível. Paramos de nos beijar e olhei para trás. Ali estava ele, beijando meu pescoço. Ele estava nu e seus braços estavam nos ombros de Matheus. Era Rodrigo, de pau duro me encoxando.

Matheus: Rodrigo? Que cê tá fazendo aqui?

Rodrigo: Cara, não vamos pensar agora, to com muito tesão pra raciocinar direito

Bernardo: Foda-se, me beija logo

Rodrigo, me segurando pela bunda e apertando-a, me beijou, enquanto Matheus lambia meus mamilos e masturbava o pau de Rodrigo. A gente gemia juntos enquanto a água quente batia em nossos corpos.

Matheus desligou a água e foi até sua mochila pegar um pacote com 3 camisinhas que sempre carregava. Enquanto isso eu e Rodrigo nos beijávamos nos chuveiros. Matheus voltou e se ajoelhou, chupando meu pau e o pau de Rodrigo ao mesmo tempo. A gente gemia em uníssono enquanto ele engasgava com nossos paus.

Fomos para o outro espaço onde tinham bancos e peguei as chaves do chão, trancando porta do vestiário. Matheus e Rodrigo me observavam, ambos de pau duro mas sem se olhar.

Subi no banco, ficando mais alto que ambos, olhei para eles e falei:

Bernardo: Me chupem agora!

Ambos se olharam, um pouco tensos, mas obedeceram. A língua de ambos tocou meu caralho, me deixando num tesão absurdo. Não fechei os olhos nem por um segundo. Ver aqueles dois homens gostosos me chupando era o maior tesão que eu já tive em toda a minha vida.

Peguei a nuca de ambos com a mão e comecei a revezar em qual boca enfiava meu pau, fazendo-os mamar minha pica inteirinha. Seus paus pulsavam de tesão. Tirei meu pau da boca de Matheus e empurrei as nucas deles para que se beijassem.

De início eles pareceram incomodados, mas logo começaram a se agarrar enquanto eu masturbava o pau de ambos. Estava me sentindo muito excitado quando Rodrigo parou de beijar Matheus e me olhou falando:

Rodrigo: Eu vou te comer agora, Bernardo

Matheus alcançou a camisinha pra ele, que colocava, enquanto Matheus lambia meu cu. Que saudade que eu tava daquela língua. Rodrigo sentou no banco e me puxou com força, me fazendo sentar em seu colo. Seu pau entrou com tudo no meu cu, me fazendo gritar de tesão e um pouco de dor. Ele enfiava com muita vontade, eu gemia alto e Matheus chupava meu pau e beijava meu corpo.

Peguei os pacotes de camisinhas e abri uma, colocando no meu pau enquanto falava olhando para Matheus.

Bernardo: Vou te comer enquanto o Rodrigo me come, senta aqui em mim gostoso

Ele me olhou com uma cara de safado enquanto Rodrigo bombeava meu cu sem parar. Matheus ficou de pé no banco, deixando eu e Rodrigo entre suas pernas, se abaixando e falando “lubrifica meu cu antes então, safado”. Lambi seu cuzinho enquanto gemia com o pauzão de Rodrigo me penetrando. Estava gemendo bastante então Rodrigo pegou a bunda de Matheus com as mãos e puxou para sua boca, falando

Rodrigo: Deixa eu chupar esse puto

A língua de Rodrigo começou a abrir a bunda de Matheus cada vez mais, deixando bem lubrificado enquanto ele enfiava o pau sem parar em mim. Ele então desceu e sentou no meu pau, abracei-o com um braço e com o outro comecei a bater pra ele, fazendo-o gemer mais ainda. Rodrigo me comia sem parar ainda, enquanto eu enfiava minha pica toda em Matheus.

Eu, Rodrigo e Matheus gemíamos muito e continuamos nessa posição até que Rodrigo avisou que ia gozar. Senti a porra quentinha dele toda dentro de mim enquanto fodia a bunda de Matheus. Levantamos e continuei comendo Matheus que ficou apoiado de costas no banco. Rodrigo se ajoelhou e começou a chupar o pau dele.

Matheus: Caralho, que gostoso, isso, chupa minha pica

Aquela imagem foi demais pra mim, gozei sem avisar dentro dele, que soltou um gemido gostoso quando sentiu a porra jorrar de mim. Logo depois Matheus gozou por todo o peitoral definido de Rodrigo e então fomos pro chuveiro.

Dando um beijo triplo, nos ensaboamos e tomamos o melhor banho de nossas vidas.

Não sabia como seria o dia seguinte, mas independente do clima que seria com Rodrigo e eu, Rodrigo e Matheus, eu e Matheus… Valeu a pena cada segundo.

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

4 comments

  1. Gente do céu e vi cada cena, eu fiquei excitado kkkkkkkkkk amando esse conto

  2. Continuem assim, mas preciso saber se rodrigo estava escondido ou se ele estava escondido vendo tudo…

  3. Nossa…esse Bernado é muito sortudo. Alguma coisa pulsou aqui dentro da cueca.

  4. Não gostei apartir desse capítulo, deveria haver mais amor e mais brigas entre eles, ao descobrir de Rodrigo, Matheus brigava com ele e sairia do grupo aonde paravam de se falar, Bernardo se achando culpado “termina” com Matheus e finge nada acontecer, Rodrigo por sua vez investiria em Bernardo, provocando a fúria de Matheus que em um golpe de raiva, bate nele no vestiário a ia ver se beijando, assim Bernardo tentando cessar tudo acaba conversando com os dois… Onde aí sim entraria o capítulo 10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *