Home / Contos / Conto – Príncipe Impossível – Capítulo 46: Xenu

Conto – Príncipe Impossível – Capítulo 46: Xenu

Morgan estava completando cinco meses de gravidez. No fim das contas ela decidiu manter o bebê. Ela souber lídar da forma dela com o filho. O pai pode ter sido um maníaco estuprador, mas tinha um outro lado dessa história. O filho não precisa conhecer o lado errado do pai. Pelo menos não quando criança. Meu aniversário se aproximava. Dia dezenove de novembro completo vinte e quatro anos de idade. Ficaria um ano mais velho. Em todo esse tempo Gray e eu estávamos mais próximos do que nunca. Tudo o que aconteceu nos aproximou cada vez mais.

Nosso relacionamento completava oito meses no fim desse mesmo mês. A três semanas tinha completado um ano de trabalho na Pegasus. Nunca imaginei que um ano depois estaria onde estou agora. Passei por tanta coisa nesses últimos anos e estou agradecido por ter encontrado o amor. Nunca acreditei de verdade que o amor existia. Sempre achei que você acabava se casando com a pessoa que se sentia mais próxima, mas é um sentimento real. É uma dor gostosa de se sentir. Ficar longe de Gray doía, mas eu não podia evitar, não agora que ele iria para um encontro em Seattle com outros médicos de várias partes do país.

– você tem mesmo que ir? – perguntei sentado na cama. Estava no meu horário de almoço e tinha que voltar até a Pegasus em alguns minutos. Gray terminava de colocar sua gravata. O seu voo para Seattle sairia em trinta minutos.

– eu preciso ir Griffin, mas eu volto na segunda de manhã.

– porque eu não posso ir com você?

– vai ser chato. Vou ficar o fim de semana todo em palestras. Você ia ficar o dia todo sozinho.

– eu sei, só estou triste por você estar partindo.

– hoje é sexta Griffin. não consegue ficar um fim de semana sem mim?

– consigo, mas não quero. Vai me dizer que você está aceitando numa boa?

– não. Você não sabe quantas vezes eu tentei cancelar, mas além de assistir palestras eu serei um dos palestrantes então não teve jeito.

– só sei que vou sentir sua falta – falei me levantando.

– também vou sentir a sua – falou Gray me puxando para um beijo – te vejo na segunda.

– sim. Na segunda – falei abraçando-o.

– não tenho tempo pra isso – falou Gray me abraçando e beijando minha boca.

– eu só quero me despedir – falei abraçando-o mais forte.

– nós nos despedimos ontem a noite… duas vezes.

– não é o suficiente – falei dando um último beijo na boca dele.

– veja pelo lado positivo – falou Gray pegando o celular, a carteira e colocando o terno – quando eu voltar na segunda vamos fazer muito sexo.

– eu vou cobrar viu – falei pegando meu celular – preciso ir pra Pegasus – boa viagem – falei abraçando-o – me liga quando chegar lá.

– OK – falou Gray me dando outro beijo – quem sabe nós podemos até fazer um ‘sexofone’.

– nada de sexo por telefone. Com a tecnologia de hoje você liga sua câmera e eu ligo a minha.

– combinado – falou Gray com um sorriso.

Ao sair do apartamento fui direto para a Pegasus. Ao passar em frente a fonte Morgan tentou me assustar tocando meu ombro.

– boo! – falou ela.

– oi – falei olhando para ela e é claro olhando para a barriga dela – como estamos hoje?

– estamos bem – falou ela com um sorriso – os enjoos diminuíram e o carinha está chutando.

– carinha? Quer dizer…

– é menino! – falou Morgan.

– você disse que não queria saber o sexo.

– eu mudei de ideia. Toda essa gravidez foi inesperada e talvez a única coisa boa que saiu do meu relacionamento com Jake.

– fico feliz que esteja mais otimista – falei entrando n elevador com Morgan.

– estou sim – falou ela com um sorriso.

Antes que a porta do elevador se fechasse Eve apareceu.

– ou… olá – falou Eve parecendo surpresa ao nos ver.

– olá – falei cumprimentando.

– como foi o almoço de vocês? – perguntou Eve.

– ótimo – falou Morgan.

– e o seu? – perguntei curioso – está tudo bem? você parece tensa?

– tensa? Não estou tensa.

– está sim – falou Morgan.

– eu estou bem  -falou Eve olhando para nós dois respirando fundo. Sentia que ela queria nos dizer algo, mas não disse nada.

– como está indo a investigação? – perguntou Morgan.

– oi? O que? – perguntou Eve nervosa.

– a investigação – falou Morgan – até a hoje a policia não disse nada sobre os motivos de Jake e não deu nenhuma declaração sobre o que aconteceu.

– está indo… na verdade não falo muito com o detetive do caso.

– mas você disse que nos manteria informados para que soubéssemos das coisas primeiro – falei confuso – eu não quero saber através do noticiário.

– isso é uma boa noticia – falou Eve quando o elevador se abriu no sétimo andar – isso significa que eles estão quase encerrando  o caso – falou Eve estranhamente tocando o meu ombro e o de Morgan tentando nos consolar.

– OK – falou Morgan confusa e eu me senti do mesmo jeito.

– olá! que bom que chegaram – falou Kiff – chegando até o elevador – os clientes já estão aguardando.

– vamos lá – falou Eve saindo rápido do elevador. Morgan e eu á seguimos até que chegamos a sala de conferências.

– boa tarde – falou Morgan apertando a mão dos nossos clientes. Eram um casal. A mulher estava grávida – eu sou Morgan, esses são Kiff, Griffin e Holly.

– muito prazer – falei apertando a mão da mulher e a do homem.

– eu sou Birdie Bancrof e esse é meu marido Rowan Bancroft.

– muito prazer – falou o homem apertando as nossas mãos. Quando apertou a mão de Morgan ele olhou para a barriga dela – vejo que está grávida.

– sim – falou Morgan com um sorriso quando todos nos sentamos – cinco meses.

– sete meses – falou a mulher – colocando a mão na barriga – na verdade é por isso que estamos aqui – falou a mulher olhando para o marido.

– a nossa família vai se tornar maior em algumas semanas – falou o marido dela olhando para nós – e por isso nós decidimos reunir a família novamente e por tanto tempo nós nos afastamos da família. Nós estávamos prestes a nos divorciar quando descobri que estava grávida e ele salvou nossa família.

– vocês tem algum parente desaparecido? – perguntou Morgan.

– vocês já ouviram falar a Cientologia? – perguntou Birdie.

– sim – falou Morgan. Todos nós confirmamos que já tínhamos ouvido falar.

– eu não – falou o marido de Birdie – até pouco tempo.

– na verdade eu tenho que admitir que nunca ouvi falar – falou Kiff.

– sério Kiff? – falou Morgan – você é o gênio dos computadores e nunca ouviu falar da Cientologia?

– não.

– nós não somos adeptos, mas a minha irmã é – falou Birdie – ela está presa nessa religião e eles não a deixam sair – falou Birdie pensativa – minha irmã se chama Jude e ela foi diagnosticada com bipolaridade quando tinha dezesseis anos. Ela fez vinte e oito anos semana passada. Ela vivia com nossa mãe, mas minha mãe faleceu e ela parou de tomar os remédios. Ela negou ser ajudada por alguém e acabou encontrando sua fé na Cientologia.

– isso é bom – falou Kiff – talvez para ela a religião seja a saída.

– você realmente não ouviu falar da Cientologia – falou Rowan rindo.

– eu te explico – falou Birdie – Primeiro de tudo saiba que a Cientologia é uma religião como qualquer outra. Como a cristã por exemplo. Em alguns países ela é considerada uma seita, mas aqui nos Estados Unidos ela é reconhecida como religião e tem isenção de impostos como qualquer outra – falou Birdie respirando fundo.

– se ela é uma religião não vejo o problema – falou Kiff.

– a Cientologia é chamada pelos membros como uma ‘filosofia religiosa aplicada’ – falou Birdie – Segundo a Cientologia, a espiritualidade e o pensamento se chamam “thetan”, ou seja, na cientologia eles não chamam de Alma, chamam de Thetan.

– entendi – falou Kiff.

– O “thetan” é o centro de sua personalidade. Ela define quem você é. A cientologia propõe que em seu estado bruto o thetan é imortal como um deus e possui o potencial de saber tudo, mas que nos dias de hoje suas verdadeiras capacidades foram perdidas e esquecidas. Para poder se lembrar dessas capacidades esquecidas, se tornar imortal e saber todas as respostas os membros da igreja precisam subir de níveis. Para subir esses níveis você precisa entregar sua vida e seu dinheiro. Quanto mais doações, mais níveis você sobe. Quando você atinge o nível mais alto e está totalmente submisso ele revelam o grande segredo da igreja.

– é claro que nos dias de hoje esse grande “segredo” acabou sendo relevado. Gasta uma pesquisa no Google – falou o marido de Birdie – com a internet eles não conseguiram.

– o que seria esse segredo? – perguntou Kiff.

– a Origem da vida – falou Birdie – assim como a Ciência tenta explicar a Origem da vida com o Big Bang e o Cristianismo com ‘Deus, Adão e Eva’ a Cientologia tem a sua teoria que é a base da sua igreja.

– e qual seria essa teoria? – perguntou Kiff.

– Tudo começou a 75 milhões de anos atrás – falou Birdie – As galáxias e estrelas sempre existiram e na época existia uma federação galáctica governada por um ser mal chamado Xenu. Um grande ditador. Ele achava que a galáxia estava super populosa e para resolver esse problema ele sequestrou e recolheu inúmeros Aliens em todos os planetas e congelou a todos eles. Os corpos congelados foram colocados em naves espaciais de Xenu. As naves vagaram por toda a galáxia até que encontraram um pequeno planeta desabitado que hoje é conhecido como Terra. As naves então jogaram esses corpos congelados dentro de vulcões onde agora é conhecido como Havaí. Os Aliens morreram, mas as “almas” desses Aliens flutuaram em direção ao céu. Contudo o malvado Xenu estava preparado. Ele não queria que as almas voltassem para seus respectivos planetas então ele sugou as almas com gigantes “catadores de almas”. Elas foram levadas a uma grande máquina de lavagem cerebral que Xenu construiu na terra. Lá as almas sofreram lavagem cerebral que as fez crer em uma realidade falsa fazendo com que elas esquecessem de onde tinham vindo e acreditassem na ciência e em outras religiões. Xenu soltou essas almas e elas vagaram pela terra desorientadas por milhões de anos. Quando o homem nasceu essas almas abitaram esses corpos. Elas se apossaram da humanidade. Segundo a Cientologia é isso que causa nossos medos, confusões e problemas.

– agora eu entendo porque quer tirá-la de lá – falou Kiff – para uma pessoa com transtorno de bipolaridade essa não é a melhor religião.

– não estou aqui para julgar – falou Birdie – qualquer um acredita no que quiser, mas a Cientologia proíbe o tratamento médico especialmente terapia, É sério. É extremamente proibido visitar Psicólogos – falou Birdie – é uma das principais regras dessa religião. Minha irmã largou tudo, parou de tomar os remédios e agora está sendo abrigada em um desses templos aqui em Los Angeles. Eles fizeram lavagem cerebral nela e disseram que a família nunca deixaria ela subir de nível. Preciso cuidar da minha irmã porque ela será tia e eu quero que minha filha a conheça. A Igreja basicamente a sequestrou e eu temo pela saúde dela.

– não se preocupe – falou Morgan – nós vamos conseguir resgatá-la.

– muito obrigado – falou Birdie se levantando. Ela e Rowan nos cumprimentaram e em seguida Morgan os acompanhou até a saída. Assim que Morgan voltou ela se sentou a mesa.

– onde está Gray?

– ele viajou para Seattle á trabalho. Ele só volta na segunda.

– então serão só nós  -falou Morgan pensativa

– eu sei onde fica esse templo – falou Holly – já passei em frente a ele várias vezes.

– nós vamos precisar nos infiltrar.

– eu já sei como – falou Holly – todos os dias eles acolhem novas pessoas que querem aderir a igreja. Antes de aderir a pessoa precisa pagar por uma taxa de inscrição e responder á algumas perguntas. Quem faz essas perguntas são os membros mais velhos da igreja. Tudo o que precisamos fazer é ir até lá e procurar por Jude. Se eles estão acolhendo ela com certeza ela precisa dar algo em troca e eles fazem isso em forma de trabalho voluntário.

– ela não vai querer sair de lá. Se ela está sem os remédios e elas está sob uma espécie de lavagem cerebral ela não vai querer sair.

– nós vamos ter que tirar ela de lá nem que seja preciso a ajuda da policia – falou Morgan.

– esse é o problema – falou Holly – juridicamente falando se ela quer ficar lá ela não pode ser retirada. Na verdade se nós a tirarmos a força é nós que podemos ser presos por abdução. Querendo ou não a Cientologia é protegida pela lei afinal ela foi reconhecida como religião.

– não sei o que podemos fazer – falou Morgan – alguma ideia Eve?

Todos nós olhamos para Eve e ela parecia distraída. Ela olhava para o nada com uma expressão séria como se estivesse pensando em algo. Havia um debate dentro dela. Eu conhecia aquele olhar.

– Eve!? – falou Morgan.

– oi? O que foi? – perguntou Eve.

– nós estamos falando sobre o caso da Cientologia. Nós estamos encurralas. Como vamos tirar a Jude Bancrof de lá?

– a lei está do lado deles – falou Holly.

– é simples – falou Eve se levantando – ela tem Bipolaridade. Conversem com o psiquiatra dela e peçam para ele declararem ela incapaz de tomar as próprias decisões. Com a declaração na mão Birdie pode pedir a guarda da irmã. Ela terá legal direito sobre qualquer decisão aquela tomar. Esse será o único jeito e conseguir resgatá-la.

Meu celular vibrou enquanto Eve falava e eu vi uma mensagem no meu celular. Enigmática. Não sabia quem tinha enviado pois era um número desconhecido e a pessoa não assinou, mas pedia que eu o encontrasse em vinte minutos na Lanchonete em frente á Pegasus. Achei estranha a mensagem e fiquei curioso.

– Essa é uma boa ideia – falou Morgan se levantando – Griffin você e Holly podem ir até o consultório do Psiquiatra de Jude? Vou ligar para Birdie e Rowan e te envio o endereço por mensagem.

– claro! – falou Holly.

– na verdade eu não posso. Acabei de receber uma mensagem da casa de repouso do mau pai. Vou precisar ir para lá.

– OK – falou Morgan – você pode ir com ela Kiff?

– claro –falou Kiff se levantando.

– então vamos lá pessoal. Hoje é sexta-feira. Vamos terminar esse trabalho o mais cedo possível para irmos para casa.

Todos saímos da sala e eu fui até o elevador e Eve entrou comigo.

– quer uma carona até a casa de repouso?

– não precisa.

– eu posso aproveitar e pra ver a minha mãe – falou Eve saindo do elevador comigo.

– não precisa. É sério – falei parando na porta do prédio.

– desembucha Griffin. onde você vai? – perguntou Eve. Ela sabia bem quando estava mentindo e quando eu queria enrolar.

– recebi uma mensagem no celular. Disse para que eu o encontre na lanchonete aqui em frente.

– quem enviou?

– não sei.

– você não vai! – falou Eve.

– relaxa. Vai ser um encontro ao ar livre. Seja lá quem for tem o meu número então é alguém conhecido.

– eu vou com você.

– tudo bem, mas fica longe.

– vou ficar do lado de fora. Se algo der errado eu vou ver.

– OK – falei seguindo pela esquerda até que cheguei a rua. Atravessei e cheguei até a lanchonete. Pedi algo para beber e aguardei até que alguém chegasse.

Esperei alguns minutos até que eu o vi entrar. Ele passou pela porta e se sentou logo a minha frente. Ele chamou a garçonete que lhe serviu um suco natural de ervas.. Ele tomou um gole e cinicamente sorriu pra mim.

– como vai Griffin? – perguntou ele se escorando para trás.

– estou bem Hugo… ou devo te chamar pelo seu nome verdadeiro? Roger?

– você que sabe – falou ele sorrindo para mim.

– você não tem medo de que eu chame a policia?

– você não tem provas contra mim e além do mais eu sei que você não vai fazer isso.

– o que você quer?

– queria te ver.

– isso eu sei. Rupert sabe que você está aqui?

– não. Ele não sabe – falou Roger pensativo.

– você roubou tudo o que eu tinha. Você me drogou e levou tudo me deixando sem nada. Levou a garrafa que era importante para mim só porque tinha valor sentimental. Nem foi pelo dinheiro.

– sim, mas eu devolvi.

– nada mais do que sua obrigação.

– na verdade o que eu vim fazer aqui não é algo fácil para mim, mas eu preciso fazer pelo meu irmão – falou Roger tirando algo do bolso. Ele colocou em cima da mesa e eu vi que era um cheque.

– o que é isso? – falei pegando-o.

– vim devolver o seu dinheiro.

– mas aqui só tem dez milhões.

– eu não posso devolver aquilo que não tenho mais – falou Roger – eu já investi o restante. Eu só não te devolvo o carro porque como você deve saber eu dei para meu irmão.

– na verdade isso foi sacanagem. Se eu fosse a policia e fizesse um boletim de ocorrência seu irmão seria preso.

– sim, mas eu esperei meses e você não foi a policia então imaginei que se não tinha feito boletim de ocorrência antes não faria agora.

– sim. É por isso que eu vim te devolver o dinheiro. Eu usei meu irmão mais velho como isca. Ele poderia ser  preso e o que você fez? Foi amigo do meu irmão. Você ajudou ele a passar por uma fase difícil da vida. Nossos pais morreram e Rupert cuidou de mim. Ele sempre foi meu irmão mais velho e é claro uma figura paterna para mim. O que você fez por ele significa muito. Só espero que você possa me perdoar pelo o que eu fiz.

– você precisa ir preso. Eu não fui sua primeira vítima  e tenho certeza de que não fui a última.

– foi sim. Você foi meu golpe de sorte. Não imaginei que tinha tanto dinheiro. Eu parei com essa vida e depois de investir mais da metade do dinheiro eu não vou precisar mais fazer golpes. Agradeço por você não dar queixa. Se meu irmão soubesse as coisas que fiz ele ficaria chateado e a última coisa que eu quero é chatear meu irmão. O que os olhos não veem o coração não sente. Ele não precisa nunca saber o que aconteceu.

– você espera que eu te perdoe?

– é isso que diferencia você de mim. A bondade. A capacidade de perdoar. Sei que você é um bom rapaz Griffin. Eu venho te acompanhando por todo esse tempo. Sei que posso ter sido um desafio na sua vida, mas foi o que eu fiz com você que te fez se apaixonar por Gray.

– você sabe sobre Gray?

– sim. Eu venho que observando de longe a muito tempo e Rupert me contou muita coisa sobre você. Se eu não tivesse te roubado você nunca teria ficado vulnerável o suficiente para deixar um homem se aproximar de você da forma que Gray fez.

– eu não sei o que dizer… admito que no começo eu tinha muita raiva de você Roger. Muita mesmo. Depois de um tempo eu cansei de odiar e de ter raiva. Depois de um tempo eu só te via como um cara que podia fazer mal a mim, mas agora que você está aqui devolvendo o dinheiro. Vejo que não tenho motivos para se ter medo.

– se não quiser fazer isso por mim, faça por Rupert. Ele é um homem diferente agora. Um homem feliz. Tenho certeza de que se ele soubesse o que fez ele me perdoaria, mas a feria nunca iria curar. Ele ficaria se culpando afinal foi praticamente ele que me criou.

– eu vou fazer isso por Rupert e não por você – falei dobrando o cheque e colocando no meu bolso – já que você deu o meu Lexus para Rupert eu vou transferir o carro para o seu nome e então você transfere para o nome dele. pode ser?

– pode – falou Roger.

– então… como vai Rupert?

– bem. Ele está namorando um médico.

– Gordon?

– sim. Como você sabe?

– na verdade fui eu que os apresentei.

– viu só? Tudo o que você toque vira ouro – falou Roger com um sorriso.

– acho que não é bem assim. Tudo o que eu faço só machuca as pessoas. As pessoas chegam perto de mim e só coisas ruins acontecem.

– não é bem assim. Eu te conheci, mas agora estou arrependido do que fiz. Você conheceu Rupert e mudou a vida dele. Você mudou a vida de Gray e de todas as pessoas que conhece pra melhor. O caminho pode ter sido tortuoso, mas no fim eles gostaram da recompensa.

– ninguém nunca descreveu minha vida desse jeito.

– é porque você tem olhado pelo ângulo errado – falou Roger se levantando.

– obrigado por ter devolvido o dinheiro – falei me levantando.

– foi bom ter te conhecido – falou Roger estendendo a mão. Levei minha mão até a dele e apertei.

– admito que não foi assim que imaginei o fim da nossa interação. Na verdade eu imaginava você sendo preso enquanto eu recebia minha vingança.

– nem sempre acaba como queremos, mas aposto que está sendo bem mais satisfatório da forma que está acabando.

– concordo – falei seguindo-o até o lado de fora.

Quando nós chegamos lá fora Eve apareceu do nada e empurrou Roger na parede segurando o braço dele para trás imobilizando-o.

– chame a policia Griffin! – falou Eve.

– o que é isso meu amor? – falou Roger para Eve.

– não sou seu amor – falou Eve.

– não vou chamar a policia Eve. Ele devolveu o dinheiro.

– o que? – perguntou Eve.

– ele devolveu o dinheiro. Não todo, mas uma boa parte.

– o que? – perguntou Eve.

– olha aqui – falei mostrando o cheque.

– mas você não quer que ele pague?

– esquece isso. Eu já esqueci.

Eve hesitou, mas no fim soltou Roger.

– Uau! – falou Roger se virando tentando arrumar o tenro que usava – quando é que vamos poder nos encontrar pra você poder fazer isso comigo de novo?

– do que é que está falando – falou Eve com raiva.

– eu sempre tive uma queda pelas ruivas – falou Roger com um sorriso no rosto.

– sem chance – falou Eve.

– olha… – falou Roger olhando para Eve de pois para mim – Griffin tem o meu número. Se por acaso algum dia você quiser sair para um jantar ou só para descontrair um pouco me liga.

– isso nunca vai acontecer – falou Eve.

– nunca diga nunca – falou Roger com um sorriso caminhando pela calçada.

– o que aconteceu? – perguntou Eve.

– eu já disse. Ele devolveu o dinheiro e pediu desculpas.

– eu não sei… – falou Eve – o meu senso de justiça não me deixa aceitar isso.

– o mundo não é feito de bandidos de mocinhos. Todos somos um aglomerado de coisas boas e ruins. Se Morgan consegue ver um lado positivo em Jake e carregar o filho dele depois dele ter estuprado mais de vinte pessoas eu posso me esforçar e tentar ver um lado positivo em Roger.

– me dá o número dele – falou Eve.

– o que?

– o número – falou Eve – ele disse que você tem o número dele.

– mas você…

– ele é bonito Griffin. Eu sou solteira e ele está interessado. Não há nada a perder.

– diz isso pra mim? – falei pegando meu celular rindo de Eve. Ela anotou o número e guardou o celular. Nós caminhamos de volta a Pegasus. Tínhamos um caso para resolver.

Obrigado a todos pelos comentáriso do conto anterior. É com muita tristeza que venho avisar que estamos na reta final. Os últimos capítulso já estão acontecendo. Sei que a noticia é triste, mas sinto que contei a história de Griffin. Como escritor estou bem satisfeito. Espero que vocês também estejam. Não fiquem muito tristes porque decidi escrever um outro conto assim que esse acabar. Já tenho até um nome e uma idéia do que vou escrever, mas vou deixar pra falar no último capítulo de Príncpe Impossível. Um abraço.

About gayson

Check Also

Confusões no Colegial – Capítulo 10 – Gripe

−Perfeitos. Simplesmente perfeitos (suspiros). Aqueles abdomens malhados, braços musculosos e os bumbunzinhos… (mordisca os lábios …

2 comments

  1. Ai gente, essa história está tão perfeita… não gostei dessa parte de reta final, mas fazer o que, né? Kkk mas a história está muito perfeita mesmo, continue assim.

  2. Como tudo que gosto tem de acabar, mas posso dizer que esta historia me prendeu do primeiro capitulo, obrigado pelo magnifico trabalho. Espero que o novo conto sejam tão interessante como o do Príncipe Impossível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *